Filosofia

Afinal, o que é essa tal vida intelectiva?

É comum que as pessoas, no senso comum, afirmarem que o que distingue o homem dos outros seres é a questão da racionalidade, o homem é um ser racional. Porém, muitos dos momentos de nossa vida nós, através de nossas ações, nos tornamos seres irracionais.

A razão não é um fenômeno pleno em nossas vidas, caso o fosse, não seriamos como somos. Mas vamos partir do pressuposto que o ser humano além de possuir sensibilidade e dos aspectos volitivos, possui uma vida intelectual.

Afinal, o que é essa tal vida intelectiva? A palavra “intelecto” vem do latim, a mesma significa “ler por dentro”, ou seja, é uma potência cognitiva da alma humana, isso ocorre através das coisas que ela conhece de si, das coisas que lhe rodeia e que a transcende.

Intelecto é uma faculdade cognitiva, um ato que é exercitado através da inteligência. Logo, o intelecto é um aspecto da racionalidade, um aspecto que distingue os seres humanos dos demais seres.

Nós, seres humanos, possuímos tanto a vida sensível quanto à vida intelectiva. A vida sensível se apresenta nas percepções do instante presente, por tanto, limitada ao presente sensível imediato. Todavia, a vida intelectiva nos permite realizar associações entre o passado, presente e o futuro.

Iremos destacar aqui as três principais operações intelectivas: apreensão, juízo e raciocínio.

Apreensão – apreensão também pode ser vista e trabalhada como “ideação”, é a faculdade ou capacidade que o ser humano tem de formar ideias ou conceitos. Para John Locke, “ideia é tudo que é objeto do nosso entendimento quando pensamos”.

Juízo – é a operação no qual possuímos que estabelece relações entre as ideias, é também denominado de preposição. Segundo M. Gex, “o juízo é o ato mental pelo qual se afirma ou nega uma relação entre dois conceitos, ou, nos juízos compostos, uma relação entre dois juízos”.

Contudo, de acordo com a Filosofia Clássica, os juízos podem ser divididos em quatro, a saber:

 Juízo universal afirmativo, juízo universal negativo, juízo particular afirmativo e juízo particular negativo.

Estes juízos são representados por letras no que chamamos quadrado verdade, não irei trabalhar aqui o quadrado verdade, mas irei por um exemplo de cada um dos juízos para que fique mais claro o entendimento.

Juízo universal afirmativo (A) – Todos os vertebrados têm esqueleto interno.

Juízo universal negativo (E) – Os brasileiros não têm dinheiro.

Juízo particular afirmativo (I) – Alguns mamíferos vivem no amor.

Juízo particular negativo (O) – Poucos alunos não estudaram o assunto.

Raciocínio – é a terceira operação do intelecto, o mesmo estabelece relações entre proposições conhecidas e delas para tirar uma conclusão. É uma inferência imediata.

Vida intelectiva é uma associação ao intelecto humano, coisa que realmente nos distingue dos demais animais.